Destaque Luta contra as reformas Pauta Nacional

PEC 186 é aprovada no Senado, e texto segue à Câmara priorizando pagamento dos juros da dívida, diminuindo auxílio e sacrificando serviço público: veja como contatar deputados e pressionar voto contrário

A toque de caixa, ao contrário do que deve ser a discussão de uma alteração na Constituição, o Senado aprovou em dois turnos, num intervalo de não mais que 24h, entre esta quarta e quinta-feira, 3 e 4 de março, a Proposta de Emenda Constitucional 186/2019, chamada de PEC Emergencial.

Na propaganda, o intuito seria garantir mais parcelas do auxílio à população vulnerável durante a pandemia. Na prática, é um assalto ao serviço público, com congelamento de salários, suspensão de concursos, rebaixamento do valor repassado às famílias a título de auxílio emergencial e garantia de que a dívida pública continuará a ser paga, sem contestação, em detrimento do povo e do serviço que é prestado.

Se quisesse efetivamente manter o auxílio, inclusive majorá-lo em vez de diminuir, o governo poderia, além de taxar fortunas e os lucros e dividendos das empresas, como acontece em grande parte do mundo civilizado, utilizar o que já tem em caixa: são quase R$ 5 trilhões, segundo consulta feita pela Auditoria Cidadã da Dívida (ACD), assim distribuídos:

  • R$ 1,289 TRILHÃO na conta única do Tesouro Nacional;
  • R$ 1,836 TRILHÃO em reservas internacionais;
  • R$ 1,393 TRILHÃO de sobra de caixa dos bancos parados no Banco Central rendendo juros somente aos bancos, às custas do povo! Além disso, tivemos superávit de mais de US$ 50 bilhões na balança comercial; temos potencial para arrecadar tributos de ricos que não pagam e várias outras fontes de recursos, aponta a ACD.

A PEC 186

A PEC Emergencial prevê o pagamento de auxílio emergencial num valor abaixo do auxílio residual de trezentos reais pago até ano passado em caso de calamidade pública – como a pandemia do coronavírus. O texto deixa de fora do limite do teto de gastos os valores com esse tipo de benefício, mas prevê “gatilhos” para compensar o que é considerado perda de receita.

Entre os gatilhos – que podem ser acionados em outras situações e não apenas no caso da pandemia – a vedação de reajuste salarial para o funcionalismo, realização de concursos públicos, criação de cargos e despesas obrigatórias, concessão de benefícios e incentivos tributários e lançamento de linhas de financiamento ou renegociação de dívidas.

Para a volta do auxílio emergencial, foi aprovado através da PEC 186 o montante de 44 bilhões de reais.

Para se ter uma ideia, esse valor é inferior à sexta parte do primeiro auxílio pago, que custou cerca de R$ 300 bilhões e atingiu aproximadamente 68 milhões de pessoas, com parcelas entre R$ 600,00 e R$ 1.200,00. Também é R$ 20 bilhões menor que a segunda etapa, chamada auxilio residual, que contemplou um número menor de brasileiros com parcelas de R$ 300,00 durante quatro meses. Ou seja: o valor a ser pago será menor que o residual e deverá atingir menos cidadãos ainda.

Dessa forma, sacrifica-se o serviço público para que seja disponibilizado um auxílio rebaixado cujos recursos disponíveis garantirão ajuda num valor ainda mais baixo que o último pago, em troca da destruição de inúmeros benefícios, já que prevê ainda a apresentação de um plano de revisão dos benefícios concedidos até aqui em diversas áreas. Vale lembrar que mais uma vez a renda do trabalhador do setor público é o alvo, já depauperada por outras reformas como a da previdência.

Além disso, a PEC 186 privilegia o sistema da dívida, que fica de fora de limitações mais restritivas como as impostas aos servidores: o mecanismo prevê que o superavit financeiro apurado em 31 de dezembro do ano anterior poderá ser destinado à cobertura de despesas com medidas de combate à calamidade pública, além do pagamento da dívida pública: segundo o texto, será permitido o uso do superavit financeiro de fundos públicos para amortizar a dívida pública de União, estados e municípios – estes entes também ficam submetidos às regras previstas na Emenda, como a vedação de concursos, congelamento salarial entre outras, e os atos dos executivos locais terão vigência imediata.

Retrocesso

Com o afastamento das contratações via concurso público, a proposta é também um retrocesso à moralidade da Administração, tal como a reforma administrativa (PEC 32/2020, que também prevê contratação sem concurso) pois prevê que haja regras extraordinárias para  contratação simplificada de pessoal.

Além das regras impositivas do instrumento, ele prevê que os entes federados poderão adotar ainda outras, arrochando ainda mais o nó sobre o servidor público e sobre a prestação do serviço à população.

Desvinculação de receitas: o bode na sala para aprovação da PEC 186

Antes das votações, que ocorreram sem debate público amplo como requer uma alteração constitucional, cogitou-se desvincular as receitas obrigatórias com saúde e educação, por exemplo, para avançar sobre estas rubricas constitucionais, que poderiam então ser utilizadas para pagamento não apenas de auxílios, mas da dívida pública, como prevê a proposta.

Com a polêmica instalada, decidiu-se por retirar essa parte do texto, como se fosse um avanço, facilitando a aprovação da medida, que contou com 62 dos 83 votos da casa, em ambos os turnos.

Entretanto, mesmo deixando, pelo menos por ora, a Educação e a Saúde de fora, a PEC 186 alterou regras para vinculação de receitas, liberando fatias do Orçamento que hoje são destinadas exclusivamente a certas áreas.

Para se ter uma ideia do caráter militarista do governo e de sua base ideológica no Congresso, não fora mexidas, por outro lado, nas receitas de interesse da defesa nacional e as destinadas à atuação das Forças Armadas, que não terão seus recursos desvinculados.

Embora possa ser visto como estratégia do governo a tentativa de desvinculação da saúde e da educação para gerar alarde e retirá-la na sequência e aprovar a matéria, o risco de algo nesse sentido ter passado foi grande, e não se concretizou pela repercussão social que causou, fruto da mobilização de sindicatos, movimentos sociais e demais setores da sociedade civil. Por isso mesmo, com a ida do texto para a Câmara, a luta deve continuar.

Provoque a bancada parlamentar de seu estado para dizer não ao auxílio rebaixado e ao ataque ao serviço público

O Sintrajufe segue chamando toda sua base, e pede que ela acione também seus contatos (compartilhando esta matéria, por exemplo) para que pressionem os deputados que analisarão agora a proposta de emenda constitucional.

Veja o que pode ser feito:

  • AQUI você acessa modelo de mensagem que pode ser enviada aos parlamentares por e-mail ou celular ou postada em suas redes sociais (os contatos estão nos links abaixo)

 

  • No link  seguir, acesse os telefones de gabinete dos deputados da Bancada Maranhense e seus endereços de e-mail:

Contatos dos Deputados Federais da bancada Maranhense

 

 

  • NO LINK ABAIXO, CELULARES DE TODOS OS DEPUTADOS, PARA ONDE PODE SER ENCAMINHADA MENSAGENS COMO AS DO MODELO ACIMA:

Celulares Deputados 56 Legislatura

Vamos agir!