Marcha da Periferia contra genocídio afro-indígena e pelo meio ambiente: participe!

Movimentos Sociais

A edição da Marcha da Periferia este ano traz como tema o aumento do número de assassinatos – na verdade extermínio – da população negra tanto nas comunidades rurais quanto nas periferias das cidades, bem como dos povos indígenas, estimulados pelo discurso e práticas de governo, como as palavras de Bolsonaro contra estes setores da população, a tentativa de mineração em terras indígenas, o aumento da letalidade policial – inclusive tema de exposição vandalizada na Câmara Federal (a charge reproduzida nesta matéria foi alvo de vandalismo por parte do deputado Coronel Tadeu, do PSL de São Paulo). Lembremos entre os casos que chocaram o país o da menina Ágatha Felix, de 8 anos, assassinada por um policial militar, como comprovado agora quase dois meses depois  do crime. Entre os indígenas, entre tantos casos que são noticiados diariamente, ressalte-se o assassinato do Guardião da Floresta Paulo Paulino Guajajara, morto em emboscada por madeireiros, num atentado que deixou outras vítimas – e que recebeu de Bolsonaro palavras de desconfiança quanto ao crime.

Meio Ambiente

O outro tema, que guarda profundas relações com essa política de extermínio é a questão ambiental, como deixam à mostra o óleo derramado no litoral brasileiro, especialmente no Nordeste, a Amazônia em chamas, a lama e os corpos soterrados em Mariana e em Brumadinho. Todos os crimes seguem impunes.

Grito

É diante desse cenário aterrador mas também de muita resistência que os movimentos sociais e a CSP-Conlutas, central a que o SINTRAJUFE MARANHÃO é filiado,CONVOCAM TODA A CATEGORIA a participar da XIV Marcha da Periferia, que acontece nesta sexta-feira dia 22, a partir das 17h, com concentração na Praça Deodoro, centro da capital maranhense.

A Marcha da Periferia é um movimento que nasceu nas ruas de São Luís do Maranhão e hoje já é realizada em diversas partes do país, sempre com uma temática que traga à luz a questão negra e os problemas sociais, invisibilizados por governantes e pela mídia, num conluio e em cumplicidade com seus algozes que matam corpos e assolam territórios.

Num momento em que definitivamente é preciso “ninguém soltar a mão de ninguém“, é MAIS QUE NECESSÁRIO ocupar as ruas e mostrar indignação com esse quadro e solidariedade com os nossos e nossas: todos e todas à Marcha!

  • Confirme presença e compartilhe a Marcha nas redes sociais clicando no link:

https://www.facebook.com/events/577533333008660/