Destaque Pauta Nacional

Confira na íntegra a mesa redonda “A reforma da Previdência como obstáculo a aposentadoria”

Veja também como foram as mobilizações do Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência

No Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência, última sexta-feira, 22, diversas atividades deram mostras da crescente mobilização social de resistência à contrarreforma.

Pela manhã, centenas de trabalhadores de diversas categorias, dos setores público e privado, que se concentraram em frente à Agência da Previdência no Parque Bom do Menino, região central da cidade, de onde seguiram até a Praça Deodoro, dizendo não à Contrarreforma.

Houve atos em vários estados e, no Maranhão, além da capital, foram registradas mobilizações e passeatas em quase duas dezenas de municípios.

Em Imperatriz, por exemplo, mesmo debaixo de um chuva torrencial, mais de duas mil pessoas saíram da praça de Fátima em caminhada pelas principais ruas da cidade. Durante todo o percurso, de aproximadamente 5 km, dirigentes sindicais, militantes e lideranças políticas foram se revezando nas falas contra a reforma da previdência e denúncias contra o governo Bolsonaro. Em frente as agências bancárias do Bradesco e Santander, dirigentes do Sindicato dos Bancários e CTB fizeram pronunciamentos denunciando a dívida da previdência que esses bancos têm, além do assédio com seus trabalhadores. A passeata teve seu término em frente à sede do INSS, onde várias lideranças se pronunciaram contra a reforma.

Em São Luís, o Dia Nacional de Luta encerrou suas atividades com a mesa redonda “A Reforma da Previdência como Obstáculo à Aposentadoria”, promovida pela Apruma no Campus do Bacanga, com as falas do advogado Guilherme Zagallo e da professora Sara Granemann, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que explicou que a proposta de Bolsonaro e Guedes não é uma reforma, porque em vez de garantir direitos, como a Constituição Federal, retira-os, e que por isso é uma contrarreforma.

Os palestrantes foram ouvidos por cerca de trezentas pessoas que estiveram no Auditório Principal do Centro Paulo Freire para entender mais sobre a tentativa de destruição da Previdência Social e unir-se à resistência contra essa ameaça.

Um pequeno grupo conservador ligado ao MBL tentou fazer o que considerava contraponto às falas, mas não conseguiram responder por que, se a reforma é tão boa, os países desenvolvidos não a aplicaram e a impõem às nações ditas em desenvolvimento, onde vêm causando inclusive onde de suicídio entre os aposentados, como ocorre no Chile – além de vir sendo revista em países onde já se provou ser ela um desastre.

Veja, a seguir, imagens da atividade e, ao final, a Mesa Redonda que tratou da contrarreforma, na íntegra: veja como sua vida pode ser afetada e junte-se à resistência contra mais esse ataque nas próximas atividades, que serão divulgadas aqui no site do Sintrajufe.

Mesa redonda "A reforma da previdência como obstáculo à aposentadoria", com Sara Granemman e Guilherme Zagallo

Publicado por Apruma Seção Sindical em Sexta-feira, 22 de março de 2019