Destaque Pauta Nacional

Servidores realizam atos pelo país no Dia Nacional de Lutas

Cumprimento da data-base, respeito aos acordos firmados em lei assegurando reajuste de diversas categorias do funcionalismo, derrubada da Emenda Constitucional do congelamento do Estado Brasileiro, bem como da reforma trabalhista e da terceirização, defesa da Previdência Pública e do instituto constitucional da estabilidade no serviço público de forma republicana. Essas foram as bandeiras que unificaram diversas categorias do serviço público presentes às ruas nesta quinta-feira, 7 de junho, Dia Nacional de Luta do Serviço Público.

Para a base do Sintrajufe, a data marcou a retomada das mobilizações, especialmente no âmbito da sede da Justiça do Trabalho, onde houve atividade pela manhã. À tarde, como deliberado também em Assembleia, houve ainda ato na sede da Justiça Eleitoral.

Para Acrísio Soares, servidor da Justiça Federal presente ao ato no TRT pela manhã, a intensificação de uma pauta de retirada de direitos é um recado claro dos dias atuais: para os trabalhadores, a classe dominante reserva apenas o “chicote”. Como resposta, a mobilização não apenas precisa, mas deve se intensificar urgentemente, e os atos do dia 7 devem ser um passo sem retorno nessa direção: “o que resolve é trabalhador na rua!”, afirmou.

Cecílio Mendes, da Justiça do Trabalho, concordou: “Se a gente não se mobilizar, a gente não terá chance, a gente perde”, disse.

Joel Nascimento, da Central de Trabalhadoras e Trabalhadores Brasileiros, que participou do ato no TRT, lembrou da importância daquela atividade, que estava conectada a outras que ao longo desse dia aconteceriam pelo país, mostrando a autonomia dos trabalhadores do serviço público e dos da iniciativa privada que também participavam das mobilizações, tendo em comum a defesa dos direitos e a revogação de ataques como a reforma trabalhista. Aos servidores, ele apontou o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), como inimigo declarado da Justiça do Trabalho, em suas diversas declarações favoráveis à extinção da JT.

Terezinha Sousa, aposentada da JT, se disse satisfeita em ver os colegas na mobilização, entendendo a necessidade da luta, sem a qual não se conquista nenhum direito.

Outras pautas

Durante o ato da tarde no TRE, foram referendadas as bandeiras unificadas de luta desta data, que aliás marcam também a campanha salarial do funcionalismo para este ano.

Saulo Arcangeli lembrou inclusive que a Emenda Constitucional 95 já vem causando fechamento de postos de trabalho, como zonas eleitorais e acarretando a reestruturação na JT, bem como retirando possibilidade de recursos para qualquer tipo de investimento.

Ele lembrou também que novas pautas devem ser incorporadas às reivindicações, como a defesa da Petrobrás pública e contra o avanço das petrolíferas estrangeiras sobre ela, representada na atual política de preços da companhia, voltada para os interesses meramente do mercado sem levar em conta sua natureza. Com isso, a luta se amplia também para a diminuição das tarifas de gás, gasolina e outros combustíveis, aliando-se aos interesses da população, inclusive com apoio direto a mobilizações nesse sentido, como as dos caminhoneiros e petroleiros, ocorridas recentemente.

Brasília

A Esplanada dos Ministérios em Brasília também concentrou atividades durante o Dia Nacional de Mobilização.

Pela manhã, em ato no Ministério do Planejamento, Gestão e Desenvolvimento (antigo MPOG), a tentativa era de buscar reunião com representantes do governo para abrir canal de negociação que discutisse a pauta de reivindicações protocolada desde janeiro. Mais uma vez a pauta atualizada de reivindicações dos SPFs foi protocolada no ministério. Porém, o governo Temer se manteve intransigente e não se dispôs a receber os representantes das categorias de federais nesta quinta.

O coordenador geral da Fenajufe, Adilson Rodrigues, fez um pronunciamento lembrando que quem faz o serviço público funcionar, são os servidores concursados, aqueles que “entraram pela porta da frente”, não os apadrinhados, indicados por partidos políticos, a serviço da “quadrilha de plantão”. “Esses aí vêm buscar esquemas, vêm buscar favorecimento,  e, mais hora menos hora, vão para a página policial, vão para a capa do jornal, com a vazão dos diversos esquemas. É isso que vêm cumprir os apadrinhados”, disse.

Confira imagens dos atos realizados pelo Sintrajufe nesta quinta-feira, 7, em São Luís:

Sintrajufe, com informações da Fenajufe